Como que alguém morre de frio?

Hipotermia é a principal causa, mas como ela funciona no corpo das pessoas e como evitar?


Com a chegada do inverno e as baixas temperaturas, a preocupação com a saúde aumenta. O frio pode ser um grande vilão para o bem-estar, causando ou agravando doenças, principalmente as que estão relacionadas com o sistema respiratório. Neste último fim de semana, há suspeitas de que o frio foi responsável pela morte de moradores de rua em São Paulo. A causa? Uma provável hipotermia.


Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), na madrugada de sábado (6) foi registrada em São Paulo a temperatura mais baixa do ano, 7,4º C. Analisando os dados regionais, na região serrana do Espírito Santo, a temperatura chegou aos 8ºC. Em todo o Brasil, estima-se durante toda a estação temperaturas amenas. Por isso, é importante estar atento aos cuidados necessários com a saúde.


Infelizmente, no caso dos moradores de rua, a falta de proteção contra o frio foi a responsável pelas mortes, causando a hipotermia, que é a queda drástica da temperatura corporal.


Fases da hipotermia.

A primeira etapa ocorre quando a temperatura corporal cai entre 1 e 2 graus. A pessoa tem arrepios, a respiração fica mais rápida e as mãos dormentes, impedindo-a de fazer tarefas cotidianas.


Na segunda etapa, a temperatura corporal reduz em 2 a 4 graus. Os arrepios são mais intensos, os movimentos ficam mais lentos e as extremidades do corpo ficam com um tom azulado. Apesar de estar consciente, a pessoa fica confusa.


Na terceira etapa, os arrepios cessam e surgem sinais de amnésia. O pulso cardíaco e a respiração diminuem, o que prejudica na atividade celular do indivíduo e acaba causando a morte clínica do paciente.



Como tratar a hipotermia?


Quando perceber que alguém está com hipotermia, siga os passos abaixo:


- Chame uma ambulância imediatamente;


- Enquanto espera o socorro especializado, retire a pessoa do local gelado e dê uma bebida quente a ela (não muito quente, para que não ocorra choque térmico);


- Aqueça as axilas e pernas do paciente (pode ser com bolsas térmicas e cobertores);


- Caso a pessoa esteja com roupas molhadas, retire-as o quanto antes, pois elas absorvem o calor do corpo, impedindo-o de se manter na temperatura adequada.


Caso de mortes em São Paulo


Mais dois moradores de rua foram encontrados mortos em São Paulo neste domingo, 7. A suspeita é de que o frio tenha causado ambos os óbitos - um registrados em Santo André, no ABC Paulista, e ouro em Assis, região oeste do Estado.


Com estes dois casos, chega a cinco o número de pessoas em situação de rua encontradas mortas no Estado desde o início da onda de frio.


Em Santo André, um homem foi encontrado morto em frente a um posto de saúde no Domingo. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-SP), a suspeita é de que o frio tenha sido causa da morte. A pasta ressaltou, no entanto, que ainda não há qualquer confirmação. O corpo foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) para que a causa da morte seja determinada.


O corpo foi encontrado enrolado em uma manta em frente ao Posto de Saúde da Família da Rua Almada, no bairro Parque Novo Oratório 1 pela Polícia Militar. O caso foi registrado no 2° Distrito Policial de Santo André.


Uma mulher, também em situação de rua, foi achada morta em Assis, no domingo, quando a cidade registrou temperatura mínima de 3ºC na madrugada.


Segundo a Polícia Militar, Rozilda Maria Barreto, de 43 anos, foi encontrada por moradores na Av. Vila Prudenciana, sem qualquer marca de violência.


Na sexta-feira, 5, o morador de rua Gabriel Leguthe Laffot, de 22 anos, foi encontrado morto nas escadas do terminal de ônibus e Metrô da Barra Funda na zona oeste da capital, e um segundo, ainda não identificado, na rua Doutor Pacheco e Silva, no centro.


No sábado, um terceiro homem, também não identificado, foi encontrado em Itaquera, bairro da zona leste.


Como ajudar


A população também pode ajudar as pessoas em situação de rua solicitando uma abordagem social por meio da CPAS, que funciona 24 horas por dia e pode ser acionada pela Central 156.


A solicitação pode ser anônima, mas é importante ter as seguintes informações para facilitar a identificação:


- O endereço da via em que a pessoa em situação de rua está (o número pode ser aproximado);


- Citar pontos de referência;


- Características físicas e detalhes de como a pessoa a ser abordada está vestida.


Sigam o SP invisível no Instagram, Facebook e Twitter.