Da rua eu observo tudo, Evandir Menezes

Conheça a história do Evandir Menezes e veja os bastidores do nosso papo, através das palavras da Soraia, voluntária do SP Invisível



“Ao contrário de vocês, nós não temos compromisso. A falta de algo sério para ser feito e desempenhado pelo tempo deixa a gente vulnerável a muitos pensamentos. Geralmente, uma pessoa chega aqui e oferece um baseado.


Seu Ego, sua consciência quer que a gente tome atitude legais com nossos Eu’s, mas a nossa mente já está poluída entre drogas, álcool e muitas coisas oferecidas na rua. Aparece várias figuras ao longo do dia que nos faz pensarmos que estamos bem, mas não estamos.

Bem, estaríamos como vocês estão, com a família e com amigos porque, por mais que passem milhões de pessoas por aqui, nós levamos uma vida vazia. Se já está ruim, vai ficar pior.



Todos vocês acham um tempo para me compreender aqui, agora o que não é legal é usar a agressividade. As pessoas tentam culpar o crack, mas eu acho isso um absurdo porque não acho que essa droga tem o poder de mudar sua personalidade. A sua personalidade é abalada pelo que você quer, é você que toma os princípios que vai desagradar seu irmão, não a química.

Eu não mudo meu caráter por nada.

A gente sabe que só existe um Deus e o nome dele é Jesus, nada além dele, o resto é tudo sete e um.

A construção de um sonho vive em nós até você se tornar adepto da droga, os seus sonhos verdadeiros como pessoa física morrem, você é jurídica da droga, você não sabe o que ela provoca, até roubarem teus sonhos.


Você acha que uma pessoa, que fica de 20 a 30 dias sem tomar banho, sem uma alimentação adequada, sem cuidar do seu sono e do seu bem-estar físico pode dizer que ainda tem sonhos?

Eu acho que ela só tem sonho, se ela for lá na padaria e comprar um. Geralmente é caro e torna-se um pesadelo para mim, um sonho deveria ser 1 real, chega lá é 5.



A ONG de vocês quem criou? Vocês observam muito o que falamos. Tem aptidão para isso. Você quer fazer comunicação, né? Eu vi isso em você. Mas para isso tem que ter memória, né? Minha memória é de elefante. Se me perguntarem o nome de 200 deputados, eu sei. ‘O que eu acho dessa nova prefeitura?’ O João Dória é um empresário muito rico e não sabe ser político, ele está sendo mandado pelos secretários, que indicam tudo para ele como deve agir. Tem diversas áreas que ele é perdido e que não tem engaje.

Ele está trabalhando com que a prefeitura tem, muito recurso e muito dinheiro, aí é fácil administrar dessa forma. Na pratica, ele não conhece nada aqui na rua, só a teoria. Tenho 40 anos e meu nome é Evandir Menezes.”


Texto escrito por Soraia Victor, voluntária do SP Invisível.

Sigam o SP invisível no Instagram, Facebook e Twitter.

Inscreva-se na newsletter da SP

para receber mais notícias! 

Obrigado!